RPG e 50 tons de cinza

"O mundo está perdido."

Dizemos muito isso, mas a certeza me vem quando vejo que a educação está perdida. Quando a educação está perdida vai para o ralo com ela os jovens e seus futuros que são sim, o nosso futuro.
A educação hoje foi terceirizada pelo pais, que sempre tem filhos pelo motivos errados, que depois que o bebe fofinho cresce esquece que é SEU papel de genitor daquele ser humano, prover meios culturais mínimos para que ele viva em sociedade.
Mas não sejamos utópicos, já que isso ocorre em poucos casos, a maioria das crianças vive por aí, jogadas no mundo. Antigamente apanhavam por qualquer coisa, hoje quem apanha são os pais, extremos doentios que não criam cidadãos lá muito saudáveis.
A educação foi terceirizada para as escolas, empregadas domésticas, para a internet, para o governo, para seja lá quem for com tanto que não seja o pai responsável por aquele ser humano.

O guia sobre o mundo que deveria ser dado pelos pais, hoje não existe, então fica a cargo do governo TENTAR deixar fora do alcance de crianças conteúdo impróprio para elas, cria-se então classificações indicativas do que Eles acham que, cada faixa etária é capaz de suportar e compreender.
Quando os contos dos irmãos Grimm foi lançado a muito, muito tempo atrás não vinha com a classificação da Disney, e cabia aos pais decidir o que seus filhos poderiam ler. Afinal, cada criança, cada família tem um desenvolvimento muito peculiar, não vejo como isso pode ser decidido de maneira tão absurdamente generalizante, por alguém não se sabe bem quem, no meio da máquina estatal.
Só para deixar claro que isso não funciona vejamos um exemplo.

50 tons de cinza que contém sexo, violência física e psicológica, violência contra a mulher, sadomasoquismo. Não tem nenhuma classificação indicativa, considerando que o público desse livro é adolescente!!! Não acho que o livro deveria ser proibido ou algo do gênero, mas um aviso na capa que aquele livro contem algo que trata a humilhação de uma mulher jovem e inocente como algo aceitável e mesmo desejável não seria de todo ruim.
Em contraposição um livro de RPG contém um aviso gigante de cuidado, perigo esse livro contém violência, magia negra, decapitação, recomendado para 18 anos....

Isso quer dizer que para você ler um livro sobre pessoas matando dragões você precisa de um aviso de cuidado, caso você queira um livro sobre uma mulher que é forçada a uma vida sadomasoquista, sem problemas.....
Esta falida sociedade que não vê nada de errado na violência contra a mulher, mas um monte de nerds jogando RPG é ameaçador??
Quanta gente morreu por causa de psicopatas que jogam RPG e quantas mulheres são surradas e estupradas todos os dias porque a violência contra a mulher não é considerada ruim???

Eu vejo aqui algo errado, quando duas medidas são usadas para livros diferentes. Quem decide o que é prejudicial??? Os pais vão deixar o Estado decidir o que seus filhos devem achar bom ou ruim???
Ou você acha que é mero acaso essas escolhas estatais???

Os pais deveriam saber o que seus filhos fazem ou leem, não para controlar, mas para pelo menos recomendar. Ou você compra qualquer coisa para seu filho sem saber o que é, e acha isso super legal???
Dito isso, se seu filho tem problemas psicológicos quando ele sai matando gente por aí a culpa não é do RPG, nem do Ozzy, ok??